Blog de crítica e opiniões sobre as políticas que afetam negativamente a humanidade. O Homem na atualidade necessita urgentemente de arrepiar caminho, em busca de um novo Mundo!

18
Jan 12

No chamado corno de África que inclui o Quénia, Somália, Etiópia e Eritreia morrem centenas de crianças diariamente devido à fome, pois as organizações humanitárias e as Nações Unidas não conseguem chegar, com meios suficientes para salvar estas vidas. Estima-se que só entre Abril e Agosto de 2011 tenham morrido mais de 100 mil crianças. Não existem números oficias, mas a catástrofe humanitária pode ser gigantesca, com números arrepiantes.

Três milhões de habitantes no Quénia, 3,7 milhões na Somália, 4,5 milhões na Etiópia e 2,5 milhões na Eritreia estão afetados pela fome. Para amenizar o problema, o Banco Mundial, Estados Unidos, ONU e a União Europeia, além de dezenas de organizações não-governamentais de todo o mundo, doaram milhões de euros para combater este flagelo. Nem assim conseguiram resolver a situação.

O grande problema nesta região prende-se com segurança. As organizações humanitárias, para desenvolverem o seu trabalho necessitam de condições de segurança, sem as quais não conseguem fazer chegar a assistência humanitária a quem mais precisa. Por exemplo, na Somália, duas partes a sul são controladas por Al Shabad, um grupo de radicais islamitas, com ligações à Al- Qaeda.

Muito se fala no crescente mal-estar causado pelos altos níveis de desigualdade crescente, em todo o mundo, que tem sido evidenciado por movimentos como o Ocupa Wall Street e a Primavera Árabe. Estes movimentos podem fazer descarrilar o processo da globalização e ameaçar as economias globais. A atenção política imediata está concentrada em responder a esta agitação social, que gerará nacionalismos, protecionismos e um retrocesso no processo de globalização.

Na minha opinião urge que as nações deem passos concretos, para prevenir desastres catastróficos futuros nesta região e noutras, pois a globalização não pode ser vista somente na sua vertente económica, pondo de lado a sua vertente humanitária, caso contrário poderá efetivamente dar-se um retrocesso civilizacional.

publicado por franciscofonseca às 20:33
sinto-me:

12
Out 11

Jared Diamond, Professor de Geografia na Universidade da Califórnia em Los Angeles, publicou em 2005 o livro Collapse – How societies choose to fail or to survive, onde fala do desaparecimento de uma dúzia de povos. A principal ideia do livro tem a ver com a necessidade de todos ajustarmos o nosso modo de vida, produção e hábitos de consumo de recursos naturais, que temos à nossa disposição, pois disso depende a sobrevivência das sociedades actuais.

Hoje, todas as economias desenvolvidas dependem indiscutivelmente do petróleo, fundamentalmente, do petróleo do Médio Oriente, onde confluem grandes fluxos de capitais. Por outro lado, observamos curiosamente, que todos os países desenvolvidos vêm-se a braços com problemas de endividamento, alguns deles, em plena falência. Provavelmente, alguns destes povos podem extinguirem-se, se vier a existir uma insuficiência no fornecimento energético, que pode muito bem acontecer.

Apesar de termos a ideia de que vivemos tempos difíceis, conturbados, de incerteza, principalmente devido ao processo de globalização, do terrorismo transnacional, da criminalidade organizada e da crise económica mundial, penso que vivemos ainda numa zona de conforto e segurança. Diamond relembra-nos que este mundo é uma excepção e que dificilmente se poderá manter por muito mais tempo, se não fizermos as escolhas certas.

A crise económica mundial, que afecta hoje quase todo o planeta tem a sua origem, nas opções de vivência adoptadas pelas sociedades desenvolvidas. Neste sentido, a grande questão que se coloca a todos os povos é a da escolha, de um modo de vida compatível com a capacidade de produção e seus recursos. Caso contrário, o destino desses povos será o colapso, onde poderá estar incluído Portugal.

publicado por franciscofonseca às 18:55
sinto-me:

09
Out 11

A economia mundial é controlada pelas gigantes corporações multinacionais, que controlam os fluxos de capitais nos cinco continentes, onde os Estados passaram a ser os seus instrumentos de expressão, das suas vontades. A globalização redefiniu uma nova organização económica, aumentando as diferenças entre os países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento.

A crise imobiliária nos EUA em 2008 espalhou o caos na Europa, a crise das dívidas soberanas na Europa espalha a desconfiança em todos os mercados do Mundo. As principais bolsas da Europa, Estados Unidos e Ásia reflectem ganhos ou perdas, consoante os resultados da actividade económica dos Estados Unidos, Europa e China.

As medidas de austeridade que estão a ser adoptadas, como forma de resolver as dívidas públicas podem levar o doente à morte. No caso português, por exemplo as grandes reformas estruturais do Estado, da Administração Pública, da banca, do tecido produtivo e da sociedade em geral, sem as quais o nosso país não conseguirá sair da crise económica e social, nem sequer ainda foram pensadas e arquitectadas.

Todos sabemos de que o endividamento leva a um crescimento fraco, que conduz a uma crise global de confiança, donde diminui a procura e reduz o investimento, que leva, por sua vez, a uma diminuição de criação de emprego. O desemprego é a grande chaga dos nossos tempos, este ciclo vicioso está a ganhar terreno, muito agravado pela indecisão e disfunção dos políticos, pois estão reféns das grandes multinacionais, que através do seu poder monopolista moldam o mundo, segundo os seus interesses económicos.

A economia mundial necessita de um reequilíbrio interno e externo. Internamente os países têm de criar estímulos à economia, para que o consumo privado aumente, o que não está a acontecer, bem pelo contrário, existindo uma forte retracção com as medidas de austeridade. Por outro lado, é preciso um reequilíbrio externo, ou seja, um aumento das exportações, de forma a compensar a quebra da procura doméstica.

Ao reflectir sobre a evolução da economia mundial, temo por tempos difíceis, pois “a maior desgraça de uma nação pobre é que em vez de produzir riqueza, produz ricos (Mia Couto)”, isto aplica-se ipsis-verbis ao sistema económico mundial vigente, que é incapaz de produzir riqueza, mas que ao mesmo tempo produz mais ricos e por outro lado mais pobres.

publicado por franciscofonseca às 15:35
sinto-me:

02
Jul 11

Na literatura mais recente, pensadores, investigadores e teóricos comummente afirmam que o mundo está a tornar-se cada vez mais pequeno, unificado e interdependente, mas na verdade, está é cada vez mais fragmentado e desigual. É possível observar sinais por todo o lado. Os países europeus têm em braços uma crise de dívida pública calamitosa, de tal ordem de grandeza, que ameaça não só a sobrevivência do euro, como também a construção europeia.

Muitos são os políticos que já reequacionam a livre circulação de pessoas e bens entre países. Começa a existir um apoio, cada vez mais forte às políticas populistas, no seio da Europa e dos Estados Unidos.

Por outro lado, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo está a fragmentar-se, devido ao aumento das tensões entre sauditas e iranianos, principalmente pelo controlo das fontes energéticas, com o consequente aumento dos preços do petróleo, para todos nós.

Adicionalmente, apesar da queda de alguns nacionalistas no Médio Oriente, o nacionalismo está em crescimento em países como a China, a Rússia e o Brasil. A ira do Brasil relativamente à inundação de importações baratas chinesas é disso um bom exemplo. A medida que os países dos mercados emergentes se tornam mais ricos, o equilíbrio global é alterado, ou seja, entram em contradição com as nações mais ricas, mas também entre si. Estes países têm dinheiro e a confiança para tomarem as suas próprias decisões.

Assim, o regional e o local voltam a ter muita importância. A percepção da nossa própria realidade é moldada em comparação com a dos nossos vizinhos, e não em relação a países que estão longe, que em muitos casos, vivenciam vidas mais ricas, mais felizes e mais prósperas. Com o incremento de medidas de interesse individual e proteccionistas, poderemos assistir ao mergulho do planeta numa recessão muito perigosa, como aconteceu em 1930, depois da Grande Depressão.

publicado por franciscofonseca às 21:40
sinto-me:

13
Jun 11

A correlação de forças na economia mundial ficou de pernas para o ar, nos últimos três anos. No início da recessão, em 2008, surgiu o G-20, onde Barak Obama julgou poder partilhar o comando dos assuntos mundiais, com a China num G-2, mas a resposta foi negativa. Assim, a única superpotência, os Estados Unidos não consegue mais impor a sua vontade e nenhuma outra potência tem vontade de partilhar os riscos de uma nova época.

Existe a ideia de vazio geopolítico, que poderá levar o mundo a um G-Zero, onde a volatilidade e os conflitos vão aumentar. Nas últimas cimeiras do G20 apenas foram produzidas frustrações. A China continua a defender que é uma economia em desenvolvimento, com grandes desafios internos e sem vontade para ser vista como superpotência global.

Os EUA permanecem a potência mais forte e assim vão continuar nos tempos mais próximos, mas deixou de ter força suficiente para impor grandes mudanças no mundo.

A crise financeira e a recessão global acentuaram os cuidados com o risco, em todos os países. Desta forma, os governos percebem que a sua sobrevivência depende mais da protecção, dos empregos locais e do crescimento local. Este facto começará a alterar a dinâmica da globalização conforme o Ocidente a concebeu.

Vamos assistir ao proteccionismo comercial, guerras cambiais e diminuição da importância mundial do dólar como divisa internacional. Novas medidas restritivas e de controlo serão colocadas em prática, que levantarão novas barreiras à velocidade de circulação com que as ideias, a informação, as pessoas, os produtos, os serviços e o dinheiro galgaram fronteiras. Estamos em pleno recuo da globalização, na forma como tem sido pilotada pelo Ocidente.

publicado por franciscofonseca às 22:00
sinto-me:

07
Nov 10

 

Portugal está a braços com potenciais problemas de insolvência, de elevada probabilidade de se verificarem num curto espaço de tempo.

 

A visita do Presidente, Hu Jintao a Portugal, segundo os principais analistas, foi um sucesso e pode recolocar o nosso país perante os mercados financeiros, ou seja, o facto de a China ameaçar comprar a nossa dívida pública, pode resfriar a ganância dos abutres económicos.

 

Vivemos na era da globalização, em que as fronteiras políticas, culturais, económicas e sociais se diluíram, mas custa-me ver o meu país vergar-se, ajoelhara-se, subjugar-se, bem sei, perante a segunda maior economia mundial. Reconheço que os acordos, agora assinados, podem resultar numa lufada de esperança no curto prazo, mas no médio e longo prazo, nada mais representam que a completa ruína do nosso mercado interno.

 

O nosso país continua a preferir às soluções do curto prazo, isto é, empurrar os problemas estruturais com a barriga para a frente, sem que sejam resolvidos. Ninguém fala em reformular o sistema político e eleitoral, o sistema de ensino, o sistema judicial, o sistema administrativo público e o sistema financeiro.

 

Nos últimos 30 anos, muitas mudanças aconteceram, do isolamento, passamos para a CEE, depois surge a globalização e, internamente nada mudou, chegou a hora de reinventar novos modelos de reestruturar a nossa sociedade. Quanto mais adiarmos estas inevitáveis reformas mais caminha-mos para um modelo de Estado falhado.

 

Francisco Fonseca

publicado por franciscofonseca às 15:03
sinto-me:
música: Vento litoral

06
Out 10

 

 

A 100 anos (Hilferding, 1910) dizia que o “capital financeiro é o capital que se encontra à disposição dos bancos e que os industriais utilizam".

 

O crescimento do sistema financeiro é uma das principais consequências da globalização.

 

Por outro lado, a acumulação de capital financeiro tem-se mostrado cada vez mais forte, sem que, os governantes dos principais países nada consigam fazer.

 

Todos somos testemunhas, de como o sistema financeiro através da especulação conseguiu fabricar uma crise, aproveitando a desregulamentação dos mercados financeiros, devido à inércia dos governantes mundiais.

 

Um dos principais elementos definidores, do sistema financeiro contemporâneo é o papel central dos EUA e o predomínio do capital financeiro na economia e políticas mundiais.

 

Posto isto, será que as mais altas instâncias europeias estão infiltradas pelos serviços secretos norte americanos? Será que toda está gente está a viver numa outra dimensão? Como é possível, ouvir ilustres políticos, todos os dias, anunciarem mais medidas de austeridade, para conseguir a confiança de quem nos colocou em crise e nos mantém refém dela, ou seja, o sistema financeiro, os mercados financeiros.

 

Será que ninguém consegue vislumbrar, entre os iluminados das nossas praças, de que a fragmentação da zona euro é um dos objectivos imediatos de quem controla o sistema financeiro. O Dólar não pode deixar de ser a moeda dominante, em todos os mercados financeiros. O euro começou a ameaçar essa realidade.

 

O reforço mútuo, entre o predomínio do capital financeiro e o poder americano mostra-se cada vez mais como uma realidade, do presente e do futuro.

 

Já escrevi que esta crise foi fabricada, foi montada e, os sinais começam a estar bem à vista. É verdade, Portugal é um país falhado economicamente, mas isso não é de agora, já lá vai muito tempo. Acho que chegou o tempo de todos os ilustres economistas, políticos, fiscalistas, entre outros, deixarem os comentários fáceis nos media e passem a dar o corpo ao manifesto, isto é, arregacem as mangas!

 

Francisco Fonseca

publicado por franciscofonseca às 21:28
sinto-me:

04
Fev 10

Nenhum gestor, nenhum líder pode estar preparado para todas as surpresas, por mais cursos e experiência que tenha.

Para se ter sucesso na gestão como líder é necessário ter uma forte visão, compartilhada por um pequeno número de pessoas. Neste grupo é fundamental haver uma mente de principiante, pois só estes conseguem ver uma situação sob uma luz diferente. É essencial ter mente de principiante, aberta a novas experiências e surpresas, principalmente nos dias que vivemos.

Este factor tem sido ignorado, pelos principais pensadores da gestão, de liderança e dos negócios. Hoje vivemos no tempo de coleccionar currículos, mas isso não é seguramente o mais importante. O que importa é que as pessoas que trabalham em equipa joguem no mesmo espaço e tenham objectivos comuns e leais, mas, infelizmente cada vez é mais raro.

O que me estimula a continuar esta caminhada, é de facto gostar daquilo que faço. Um dia um famoso equilibrista chamado Karl Wallenda disse: “O único momento em que me sinto vivo é quando ando na corda bamba. O resto é espera.” Por isso comigo acontece quase o mesmo, quando somos envolvidos em projectos ambiciosos, quando confiam no nosso trabalho, quando somos reconhecidos pelos melhores motivos, sentimos que estamos vivos, caso contrário estamos em espera…espera essa que cansa muito, mas muito.

Receio que a espera seja demorada, por isso resta esperar e apelar à paciência em grandes doses.

Francisco Fonseca

 

publicado por franciscofonseca às 19:42
sinto-me:

25
Out 09

 

Novo Governo esperança renovada. A meu ver penso que se trata, de uma forma geral de renovação, em que a maioria dos portugueses deposita poucas esperanças.

 

Mas vai ser seguramente diferente. Tempos diferentes, conjunturas diferentes, forças diferentes. É muito importante termos noção das diferenças, das características, dos perfis de cada actor neste novo paradigma.

 

Mas não tenhamos ilusões, os ventos vão continuar a soprar desfavoravelmente. É exactamente por sabermos deste estado de coisas, que o resultado global a ser alcançado é a soma das parcelas que cada um de nós conseguir alcançar individualmente.

 

Por vezes somos e pensamos extraordinariamente diferente dos outros, mas é nas épocas de grandes dificuldades, que precisamos de unir esforços para ir mais longe. Só assim conseguiremos um futuro melhor.

 

Não deixe de visitar: http://www.aformula.biz/?42

Francisco Fonseca

 

publicado por franciscofonseca às 11:38
sinto-me:

09
Out 09

 

Vivemos tempos altamente conturbados e acelerados que todos nós temos dificuldade de percepcionar, de entender e de interpretar. O mundo está a sofrer grandes transformações em todas as esferas.

 

As grandes tendências emergentes no mundo da inovação, são a da recombinação de indivíduos, ideias e objectos e por outro lado a ideia de colaboração, mais ligada às culturas organizacionais e que aposta essencialmente em equipas interdisciplinares.

 

Não tenho dúvidas que os criadores do futuro serão as actividades, postos de trabalho e até indústrias que ainda não existem na actualidade e, consoante a capacidade do homem para a re-inovação, elas poderão aparecer mais cedo ou levar mais tempo.

 

Considero que esta re-inovação tem de passar por 5 pilares fundamentais: Ambiente e Recursos; Globalização; Desenvolvimento Internacional; Transformação Social; Paz e Segurança. Estes temas constituem hoje, os temas do futuro. Estes são os pilares essenciais que deveriam constituir as políticas e ferramentas de qualquer Governo.

 

Senhores políticos re-inovem, leiam, pensem, sejam assertivos, trabalhem em grupo, defendam e lutem pelos interesses verdadeiramente marcantes para o futuro das gerações vindouras. Já chega de “diz que disse”, “diz que não disse” o Povo merece outra forma de estar e de inovar.

Francisco Fonseca

 

publicado por franciscofonseca às 22:32
sinto-me:

Setembro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Posts mais comentados
TIME
Google Analytics

mais sobre mim
pesquisar
 
TRANSLATE THIS BLOG
Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain Spain
VISITANTES
PARCEIROS
À toa na Net Tedioso: Os melhores links MDig - O maior repositório de risos da rede GeraLinks - Agregador de links LinkLog Colmeia: O melhor dos blogs Piadas Idiotas - São idiotas mas o faz rir My Ping in TotalPing.com Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa
blogs SAPO